E não dito

outubro 7, 2009

Instantâneo…

Filed under: escritos,escritos do hoje,espanto,inauditos — gleisepc @ 6:44 pm
Tags: , , ,

Ela desceu do ônibus feliz, com os presentes a cobrir-lhe o rosto. Ele tentou, mas não conseguiu frear.

outubro 5, 2009

Uma tarde…

Filed under: Sem-categoria — gleisepc @ 5:29 pm

Ela sorria e olhava ele falando, e falando… Já quase não o ouvia, mas consentia e sorria. Sabia que ele falava sem o mesmo ânimo. Os passeios conjuntos se transformaram em rotina automatizada, mas sobre isso ele não falava. Ela tampouco o fazia, e preferia sustentar o sorriso enquanto pensava nos por quês daqueles momentos. O mais doloroso era saber que ele sabia, mas não falava e, no entanto, era ele quem mais tinha assunto nessas horas. Como ele podia sustentar tal situação?, ela pensava; mas deixou soar o sorriso pelo ar.

Ele falava e era tão automático, que nem parecia ser ele mesmo a trazer a variedade de temas para aquela mesa, naquele lugar. Ele tinha medo que ela lhe perguntasse sobre qual o assunto ele estava falando, porque não tinha o menor controle sobre o que dizia. Era quase um zumbi  de si mesmo naquela rotina que inventaram, não lembra quando. E quanto mais ele falava, mais sabia que ela estava ali, mas não o ouvia. Ela sorria, como sempre, mas agora, mantinha-se ausente. Enquanto ele falava, e por que falava, não conseguia parar de pensar nela ali na sua frente, consentindo e sorrindo. Doloroso era saber que ela também sabia, mas, ainda assim, insistia em consentir e sorrir. Como ela podia manter o sorriso em tal situação?, ele se punha a pensar; mas não conseguia parar de falar.

Júlia olhava a xícara de café já sem nenhuma vontade. Ela gostava tanto de café, mas o deixara esfriar. Distraída com o casal da mesa ao lado, e sua  felicidade cúmplice tão despudoradamente visível, pensava em como trazer o gosto pelo café de volta à sua, uma vez mais, solitária rotina…

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.